95.9 FM

Petrobras aumenta em 2,8% preço de querosene de aviação

 

A Petrobras aumentou em 2,8%, nesta quarta-feira (1º), o preço do querosene de aviação (QAV) vendido para os distribuidores. O aumento corresponde a R$ 0,11 por litro do combustível.

O preço do QAV acumula, no ano, uma redução de 1,3%, ou seja, R$ 0,05 por litro, de acordo com comunicado divulgado pela estatal. Em relação a dezembro de 2022, a queda acumulada é de 20,6% ou R$ 1,05 por litro.

A Petrobras vende o produto refinado, por si própria ou importado, para distribuidoras, que transportam e comercializam o combustível com as empresas de transporte aéreo e consumidores finais, nos aeroportos.

source

AJ finaliza 1ª turma do curso Igualdade de Gênero: julgar com perspectiva de gênero 

Recomendação do CNJ, mais 3 turmas estão previstas em 2024 

Fonte: Poder Judiciário de Santa Catarina

Imagens: Divulgação/Assessoria de Artes Visuais-NCI
Conteúdo: NCI/Assessoria de Imprensa

A Academia Judicial (AJ) do Poder Judiciário de Santa Catarina finalizou nesta semana (30/4) a primeira turma do curso “Igualdade de Gênero: julgar com perspectiva de gênero”, no qual participaram 38 magistrados que se aprofundaram nas questões relativas à noção de gênero e à forma como podem impactar os julgamentos dos processos. Para este ano ainda estão previstas mais três turmas. “Esse é mais um curso destinado a capacitar as magistradas e magistrados para o adequado tratamento de tema muito sensível, com o qual se espera qualificar sempre mais a prestação jurisdicional”, registrou o diretor-executivo da AJ, desembargador Luiz Felipe Schuch.

A temática é uma recomendação do Conselho Nacional de Justiça (CNJ), que, pela Resolução n. 492/2023, tornou obrigatórias as diretrizes do Protocolo para Julgamento com Perspectiva de Gênero e, consequentemente, a formação dos magistrados nessa ótica.

Mas o que significa julgar com perspectiva de gênero?

A desembargadora Hildemar Meneguzzi de Carvalho, que está à frente da Coordenadoria da Mulher em Situação de Violência Doméstica e Familiar (Cevid), do Tribunal de Justiça de Santa Catarina, explica que julgar com perspectiva de gênero “significa entender que, ao longo da história, as mulheres têm sido afetadas por desigualdades sociais, culturais e políticas, que se refletem na maneira como a lei é feita e aplicada”. Reconhecer esse aspecto de nossa sociedade, conclui, é essencial para a mudança de atitudes e da cultura jurídica, a fim de garantir a não discriminação e a quebra de estereótipos.

O Protocolo para Julgamento com Perspectiva de Gênero tem como referência documento com o mesmo nome criado pelo Estado do México, após determinação da Corte Interamericana de Direitos Humanos. A ideia é que o protocolo sirva como um guia para que os julgamentos prezem pela igualdade e a não discriminação de todas as pessoas. Ele reconhece a influência de alguns valores na sociedade que acabam por repetir estereótipos e a perpetuação de diferenças que acabam refletidas na interpretação e aplicação das leis. Adotar a perspectiva de gênero permite que magistrados identifiquem, questionem e avaliem a discriminação, a desigualdade e a exclusão de mulheres, inclusive mulheres negras, indígenas, deficientes e pessoas LGBTQIA+.

A relevância do tema é tão grande que, além de a capacitação dos magistrados na temática ser um dos pré-requisitos para a obtenção do Prêmio CNJ de Qualidade, o órgão criou um banco de dados no qual já existem mais de 270 sentenças e decisões, nas mais variadas áreas do direito, que utilizaram o protocolo.

“É importante entender que combater a violência contra as mulheres vai além do aspecto criminal, das medidas de proteção e da punição dos autores de violência, pois é preciso encarar questões enraizadas em nossa sociedade há séculos, como o patriarcado, o machismo, o sexismo, o racismo e a homofobia. Essas questões atravessam todas as áreas do direito e estão profundamente enraizadas em nossa cultura”, explica Meneguzzi.

A juíza Naiara Brancher, tutora do curso, explica que “o objetivo do curso é aproximar o documento protocolar da magistratura, desmistificando-o e quebrando resistências, pois muito já se faz nesse sentido”. Levar os juízes a pensar sobre suas decisões é a tarefa primordial. É nesse sentido que os docentes propõem, no decorrer do curso, que os participantes revejam algumas de suas decisões mediante a metodologia estabelecida pelo regulamento. “E o que se tem percebido é que muitos magistrados catarinenses já têm utilizado, de maneira indireta, o protocolo em suas decisões”, revela a juíza.

O magistrado Eduardo Bonassis Burg, que participou desta edição, vê a formação como essencial para o entendimento da complexa teia que envolve a questão da violência de gênero. “Este conhecimento permite garantir julgamentos mais justos e equitativos, combatendo estereótipos e promovendo uma justiça que reconhece e se adapta às diversas realidades enfrentadas pelas mulheres”, resume o juiz.

O curso oferecido pela Academia Judicial é credenciado pela Enfam e tem caráter de formação continuada para fins de vitaliciamento e promoção na carreira. Dividido em três blocos, ele aborda desde a construção social de gênero e raça e os impactos das relações e estruturas de poder, as violências a que essas parcelas da população estão submetidas, até o que já existe de jurisprudência e a metodologia para julgar com perspectiva de gênero. “É o comprometimento do Judiciário catarinense com a determinação do CNJ. Mas também, e acima de tudo, o comprometimento da nossa instituição com uma Justiça mais igualitária e sem estereótipos”, teoriza a juíza Brancher. 

Concurso e Festival da Cerveja voltam a ser responsabilidade da Prefeitura de Blumenau

Após crescente descontentamento com a organização e administração do Festival da Cerveja, várias cervejarias e empresários começaram a contestar a gestão da Associação Blumenauense de Turismo, Eventos e Cultura (Ablutec) e solicitaram a intervenção da Prefeitura. Na terça-feira, o município anunciou que o evento voltaria a ser responsabilidade da Prefeitura e que seria aberta uma licitação para uma empresa privada assumir a organização.

Agora, a Ablutec e a Prefeitura estão em disputa judicial pela responsabilidade do Concurso e do Festival Brasileiro da Cerveja. A Ablutec argumenta que a Prefeitura não detém os direitos sobre a marca do Festival e que ela tem sido a responsável pela realização do evento nos últimos 15 anos, incluindo os últimos 13 concursos, sem qualquer concessão. A Associação exige que a Prefeitura, que afirma ser a detentora da marca registrada, comprove sua reivindicação.

Por sua vez, o município alega que a associação possui pendências no pagamento do aluguel da Vila Germânica, enquanto a entidade contesta essa informação. Como resultado, a Secretaria de Turismo comunicou que a Associação não poderá mais organizar eventos nas dependências da Vila até que suas dívidas sejam quitadas.

Lula garante recursos para o Rio Grande do Sul, atingido por temporais


Logo Agência Brasil

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva afirmou, nesta quinta-feira (2), que não faltarão recursos do governo federal no socorro à população do Rio Grande do Sul e na reconstrução de municípios gaúchos atingidos por tempestades e enchentes desde o início da semana.

Lula e uma comitiva de ministros desembarcaram hoje em Santa Maria (RS) para reunião de trabalho com o governador do estado, Eduardo Leite, que classificou a situação como o pior desastre climático da história do Rio Grande do Sul.

Notícias relacionadas:

“Tudo que estiver no alcance do governo federal, seja através dos ministros, seja através da sociedade civil ou seja através dos nossos militares, vamos dedicar 24 horas de esforço para que a gente possa atender as necessidades básicas do povo que está isolado por conta da chuva”, disse Lula, após a reunião.

“No primeiro momento, a gente só tem que salvar vidas, a gente só tem que cuidar das pessoas. No segundo momento, a gente vai ter que cuidar de fazer uma avaliação dos danos e, a partir daí, começar a pensar em como encontrar o dinheiro para que a gente possa reparar esses danos”, acrescentou o presidente, prestando solidariedade ao povo gaúcho e às famílias das vítimas.

O último balanço das autoridades locais registrava 13 mortes e 21 pessoas desaparecidas, além de 12 feridos. São 132 municípios afetados e 5.321 pessoas desalojadas.

De acordo com o governador Eduardo Leite, esses números são “absolutamente preliminares” e deverão subir. O foco das ações é no resgate das pessoas. “Lamentar desde já todas as mortes que ainda não foram registradas e que serão muitas, infelizmente, por conta de deslizamentos e de pessoas que estão a 48 horas em localidades que estão inacessíveis já pedindo resgate. A gente está se esforçando para chegar em cada um dos locais”, disse, informando que 204 municípios estão com maior risco em razão da elevação dos níveis dos rios e do perigo de deslizamento de terras.

Ele lembrou que nos primeiros temporais do ano passado, o resgate foi possível após uma trégua nas chuvas, o que não vem acontecendo. “Nesse momento, a gente não tem tido essa condição. Desde terça-feira (20) a gente mobiliza o que é possível, mas há muito problema climático ainda que afeta o voo das aeronaves e a dificuldade para fazer resgates. E isso tem gerado consequências muito graves aqui, que ainda vão ser medidas”, disse, antecipando a preocupação com alagamentos em Porto Alegre, capital do estado, em razão da elevação do nível do Rio Guaíba.

Segundo ele, a cota de inundação deve chegar a 4 metros (m) amanhã (3) e, dependendo da direção dos ventos que podem escoar melhor ou podem representar as águas no Guaíba, pode chegar a 4,20m. Em novembro do ano passado, o nível do rio chegou a 3,46m, na pior cheia desde 1941.

“Peço às pessoas que saiam das localidades de risco, saiam das suas casas de forma ordenada enquanto é tempo para isso, para nós salvarmos vidas nesse momento”, disse o governador.

Desde o início da crise, o governo federal se mobilizou para apoiar as ações emergenciais, de socorro à população. Militares das Forças Armadas têm auxiliado nas ações de busca e resgate de vítimas e na desobstrução de estradas, além de distribuição de alimentos, colchões, água e a montagem de postos de triagem e abrigos.

O governador Eduardo Leite decretou estado de calamidade pública diante dos estragos causados pelos eventos climáticos. As aulas nas escolas estaduais foram suspensas. Há mais de 150 pontos de bloqueios em estradas e pontes e municípios com problemas no abastecimento de alimentos, água, energia elétrica e telefonia. Os temporais castigam o Rio Grande do Sul desde segunda-feira (29) e a previsão é que o volume de chuvas continue elevado nos próximos dias.

O estado vem sofrendo com ciclos cada vez mais recorrentes de intempéries climáticas. No segundo semestre do ano passado, enchentes provocadas por fortes chuvas fizeram transbordar o Rio Taquari, em uma das piores cheias em décadas, e deixaram um rastro de destruição, perdas materiais e cerca de 50 mortes.

“É o segundo [evento] em um ano que acontece, então é preciso que a gente comece a ficar preocupado em cuidar do planeta Terra com muito mais carinho, com muito mais amor”, disse o presidente Lula.

“A natureza está se manifestando e nós precisamos levar isso muito em conta, porque quando a natureza se rebela a gente sabe que os prejuízos são muitos”, acrescentou, sobre as consequências da ação danosa do homem ao meio ambiente.

Powered by the Echo RSS Plugin by CodeRevolution.

Novidades no Quadro Vacinal de Blumenau: Vacinação sem Restrição para a Gripe e Enfoque em Adolescentes e Crianças para a Dengue

A partir de segunda-feira, dia 06, a cidade de Blumenau começa a vacinar crianças e adolescentes entre 10 e 14 anos. Inicialmente, a vacina estará disponível nos ambulatórios gerais do Centro, Garcia, Velha, Itoupava, Escola Agrícola, Badenfurt e Fortaleza. E após isso, no decorrer da semana, os postos com sala de vacina ativa também serão abastecidos com doses do imunizante, tudo para facilitar a aplicação nessa faixa etária.

A vice-prefeita de Blumenau, Maria Regina de Souza Soar deu a CBN mais informações sobre o quadro vacinal da dengue na cidade

“A vacinação contra dengue aqui no município de Blumenau está prevista a iniciar a partir de segunda-feira, dia 6. Nós temos a previsão de receber as doses, em torno de 5.057 doses, da vacina contra dengue a partir desta quinta-feira, dia 2, e sexta-feira, dia 3. A partir de segunda-feira, então, todos os nossos ambulatórios gerais estarão com sala de vacina abertas para esta vacinação também. A vacina contra dengue é aplicada em um esquema de duas doses no intervalo de três meses entre elas e tem o objetivo de reduzir as hospitalizações e os óbitos pela doença. O público recomendado para essa vacinação são os adolescentes de 10 a 14 anos definidos pelo Ministério da Saúde. Nós esperamos que a população realmente atenda ao pedido de chamado para a vacinação dessa faixa etária, porque é uma faixa etária que está sendo acometida. Exercida pela Dengue, então os critérios definidos pelo Ministério, realmente o foco inicial é neste público. A vacina da Dengue, ela tem um intervalo então e quem já teve o caso da vacina, o caso de Dengue nesses últimos dias, o recomendado é aguardar seis meses para o início do esquema vacinal contra a Dengue então.”

Ontem, o Ministério da Saúde anunciou que será liberado para qualquer pessoa acima de 6 meses de vida a vacina da gripe, até então restrita apenas aos grupos prioritários. Perguntamos também a vice-prefeita, se Blumenau tem uma previsão para quando será possível essa vacinação a todo o público

“Sobre a vacinação contra gripe, nós estamos ainda vacinando somente os grupos prioritários definidos pelo Ministério da Saúde, nós não recebemos autorização ainda do Governo do Estado, que é quem faz a gestão da vacinação aqui no Estado de Santa Catarina, para ampliação para o público geral, como o Ministério da Saúde manifestou a partir da próxima semana. Então assim que nós recebermos a informação oficial por parte da Secretaria de Estado da Saúde, nós iremos iniciar a ampliação da vacinação aqui na cidade glúmenal também.”

Desemprego cresce 7,9% no primeiro trimestre do ano, diz IBGE

Taxa cresceu 0,5 ponto percentual em relação ao período anterior e atinge 8,6 milhões de pessoas. Mesmo com alta, resultado do primeiro trimestre é o melhor para o período desde 2014 (7,2%).

desemprego brasil

taxa de desemprego no Brasil foi de 7,9% no trimestre encerrado em março, segundo a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNAD) Contínua, divulgada nesta terça-feira (30) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Em relação ao trimestre imediatamente anterior, encerrado em dezembro, houve alta de 0,5 ponto percentual na desocupação, que era de 7,4%. No mesmo trimestre de 2023, a taxa era de 8,8%. Mesmo com a alta, o resultado do primeiro trimestre é o melhor para o período desde 2014 (7,2%) e vem abaixo das projeções do mercado financeiro (8,1%).

No primeiro trimestre de 2024, houve queda de 0,8% na população ocupada, estimada em 100,2 milhões de pessoas. No ano, o aumento foi de 2,4%, com mais 2,4 milhões de pessoas ocupadas.

De acordo com Adriana Beringuy, coordenadora de Pesquisas Domiciliares do IBGE, o aumento da taxa de desocupação foi ocasionado pela redução na ocupação, em um movimento sazonal da força de trabalho no primeiro trimestre do ano.

O percentual de pessoas ocupadas na população em idade de trabalhar — chamado de nível da ocupação — foi estimado em 57%, um recuo de 0,6 ponto percentual frente ao trimestre anterior. Em relação ao mesmo período do ano anterior, a alta é de 0,9 p.p.

Já o número de pessoas dentro da força de trabalho (soma de ocupados e desocupados), teve alta de 1,5%, estimado em 108,8 milhões. A população fora da força totalizou 66,9 milhões, estável em relação ao período anterior.

-Fonte: G1 Globo

Governo anuncia R$ 62 milhões para ampliação de hospital em Blumenau

hospital blumenau

O governador Jorginho Mello (PL) assinou na manhã desta segunda-feira (29) um convênio de R$ 62 milhões para a ampliação do Hospital Santo Antônio, em Blumenau.

A expansão da unidade hospitalar conta com a construção de uma nova torre de 10 andares, com 110 novos leitos, quatro novas salas cirúrgicas, serviços de hemodinâmica e central de materiais e esterilização, além de heliponto no terraço.

Jorginho anunciou o recurso durante a cerimônia de inauguração do novo serviço de ressonância magnética do Santo Antônio, também viabilizada por um convênio do Estado de R$ 5 milhões, em agosto de 2023.

Desde a última visita do governador a Blumenau, no início de abril, havia tratativas para que o Estado fosse parceiro do hospital na obra.

A expectativa é que o estudo de impacto de vizinhança (EIV) seja aprovado ainda este ano. O prazo inicial para a conclusão das obras, a partir da assinatura da ordem de serviço, é de 24 meses.

-Fonte: NSC Total.

‘Médio Vale do Itajaí’: Veja quais cidades ficam contemplada com doses da vacina da dengue

Quatorze municípios de Santa Catarina vão receber cerca de 47 mil doses da vacina da dengue, crianças e adolescentes de 10 a 14 anos são o público-alvo da vacina.

vacina dengue blumenau

O Ministério da Saúde confirmou que 47.463 novas doses serão enviadas para 14 municípios do Médio Vale do Itajaí.

O que é e onde fica o Médio Vale do Itajaí?

A região contempla cidades afetadas pelo Rio Itajaí-Açu, que corta o estado na região central e deságua no Litoral Norte. Municípios entre os mais populosos de Santa Catarina estão no Médio Vale, como Blumenau e Brusque.

Confira quantas doses cada cidade vai receber:

A previsão é que as doses cheguem na próxima semana e o cronograma de aplicação ficará a cargo da Secretaria de Saúde de cada município.

As crianças e adolescentes deve tomar duas doses da vacina, com um intervalo de três meses entre elas.

SC em emergência com recorde de mortes

Nos primeiros quatro meses de 2024, a dengue já matou 121 pessoas em Santa Catarina. O número é superior aos 98 óbitos registrados ao longo de todo o ano anterior.

O número de óbitos acompanha o elevado número de casos prováveis da doença, que superaram os 180 mil. Desde fevereiro, o Santa Catarina decretou emergência.

-Fonte: NSC Total

Santa Catarina declara estado de emergência na saúde pública

Explosão dos casos de doenças respiratórias e dengue seriam os motivos

santa catarina estado de emergencia

A decisão foi publicada em edição extra do Diário Oficial nesta segunda-feira (29) e veio após os hospitais constatarem superlotação nos centros de atendimento em decorrência das doenças respiratórias. O grande responsável seria a situação da Síndrome Respiratória Aguda Grave (SRAG) no Estado.

O decreto nº 574 declara a existência de “situação anormal” e prevê ações para fins de prevenção e enfrentamento da doença. De acordo com a nota, indicadores apontam um aumento elevado no número de internações nos leitos de Unidades de Terapia Intensiva (UTIs) neonatal, pediátrica e adulto por conta da SRAG.

A superlotação das unidades de saúde em diferentes regiões de Santa Catarina, representa risco sanitário para a população.

O decreto autoriza que a Secretaria de Estado da Saúde (SES) requisite bens e serviços de entidades privadas e edite normas complementares relacionadas à situação de emergência, regulando questões específicas de sua competência.

O documento entrou em vigor a partir da publicação e tem validade de 180 dias, período em que as ações devem ser implementadas e executadas.

Entenda a Síndrome Respiratória Aguda Grave (SRAG)

A SRAG, na maioria das vezes, demanda hospitalização imediata, uma vez que uma série de agentes, incluindo vírus respiratórios como Influenza A e B, Vírus Sincicial Respiratório, e notoriamente o SARS-COV-2, causador da Covid-19, além de bactérias, fungos e outros patógenos, podem desencadear essa condição.

A Dive/SC destaca a importância de diferenciar os sintomas da Síndrome Gripal (SG) daqueles associados à SRAG, o que é vital para um diagnóstico preciso e um tratamento eficaz.

Síndrome Gripal (SG): Indivíduos com um quadro respiratório agudo caracterizam a SG, sendo reconhecidos por apresentarem pelo menos dois dos seguintes sinais e sintomas: febre (mesmo que referida), calafrios, dor de garganta, dor de cabeça, tosse, coriza, distúrbios olfativos ou gustativos.

Síndrome Respiratória Aguda Grave (SRAG): A SRAG é identificada em indivíduos que, além dos sintomas da SG, apresentam: dispneia/desconforto respiratório, pressão ou dor persistente no tórax, saturação de oxigênio menor que 95% em ar ambiente ou coloração azulada (cianose) dos lábios ou rosto.

Compreender essas distinções é crucial para uma abordagem eficaz na detecção precoce, tratamento e controle da propagação dessas síndromes respiratórias.

Fonte: NSC Total

Mariana: mineradoras propõem indenização de até R$ 127 bilhões pela tragédia da barragem de fundão

tragédia de Mariana

Na última semana, as mineradoras Samarco, Vale e BHP Billiton apresentaram uma proposta de indenização no valor de até R$ 127 bilhões para reparar os danos causados pelo rompimento da barragem de Fundão, ocorrido em Mariana em 2015. As negociações, retomadas recentemente, envolvem os governos federal, de Minas Gerais e do Espírito Santo, além de instituições judiciais, sob mediação do Tribunal Regional Federal da 6ª Região, em Belo Horizonte.

De acordo com informações divulgadas pela Vale, as mineradoras consideram ter despendido cerca de R$ 37 bilhões em ações de compensação até o momento. Desse total, mais de R$ 17 bilhões foram destinados a pagamentos e aproximadamente 430 mil indivíduos afetados pelo desastre.

A proposta inclui um pagamento adicional em dinheiro de R$ 72 bilhões aos governos federal, estaduais e municipais impactados, além de aproximadamente R$ 18 bilhões destinados a outras obrigações.

Além disso, as mineradoras propõem que 50% do montante seja assumido pela BHP e pela Vale como devedores secundários, caso a Samarco, responsável pela barragem, não tenha capacidade financeira para arcar como devedora primária.

As partes envolvidas destacaram o objetivo de alcançar a liquidação definitiva das obrigações relacionadas ao desastre, mantendo-se engajadas para avançar nas negociações e aprovar um acordo final.

Considerando a primeira proposta apresentada no ano passado, o valor atual do acordo de reparação do desastre é três vezes maior. Na ocasião, as mineradoras queriam pagar cerca de R$ 40 bilhões pelos danos provocados pela tragédia, enquanto o poder público reivindicava aproximadamente R$120 bilhões. Essa divergência paralisou as negociações por cerca de quatro meses.

Open chat
Fale com a CBN Vale do Itajaí
Olá 👋
Podemos te ajudar?