95.9 FM

Espetáculo circense com protagonistas negros estreia no Rio


Logo Agência Brasil

Depois de apresentações nas capitais de São Paulo e Minas Gerais, e no Festival de Curitiba, o espetáculo musical PROT{AGÔ}NISTAS – O Movimento Negro no Picadeiro chega ao Rio de Janeiro para três sessões. Elas serão realizadas nesta sexta-feira (14) e sábado (15), às 19h, e no domingo (16), às 18h. Os ingressos custam R$ 15 e podem ser adquiridos no site do Sympla. As apresentações ocorrem no Circo Crescer e Viver, no bairro da Cidade Nova, região central da cidade.

Durante a apresentação nesta sexta-feira (14), haverá intérprete de Libras e audiodescrição. Às 11h, será realizada palestra gratuita, com duração de uma hora. O tema Estou aqui – O lugar ocupado pelo artista negro e sua representatividade na cena cultural nacional vai ser abordado pela convidada especial Thallita Flor, uma palhaça preta da Cia Mala de Mão.

Rio de Janeiro (RJ) - Cena do espetáculo Prot(agô)nistas. Foto: Sergio Fernandes/Divulgação
Rio de Janeiro (RJ) - Cena do espetáculo Prot(agô)nistas. Foto: Sergio Fernandes/Divulgação

Rio de Janeiro – Cena do espetáculo Prot(agô)nistas. Foto: Sergio Fernandes/Divulgação – Sergio Fernandes/Divulgação

Notícias relacionadas:

O diretor Ricardo Rodrigues informou que o espetáculo tem músicas autorais e traz uma versão afrocentrada, com narrativa sobre o negro em diáspora no Brasil. O próprio título PROT{AGÔ}NISTAS traz a palavra agô entre chaves, extraída do idioma Iorubá, que simboliza a abertura de portas e caminhos.

Protagonismo

“O nome protagonista está no plural porque cada artista tem o seu momento de protagonismo no espetáculo, com as músicas autorais da própria banda, que toca ao vivo, e as ações circenses que se dão dentro de uma narrativa que fala de amor na comunidade preta, de cabelo da pessoa preta, do quilombismo, do genocídio. São situações implícitas, onde a plateia percebe e acompanha essa celebração circense no picadeiro”, afirmou Rodrigues.

Para o diretor, apesar de serem temas tristes, o espetáculo não visa a fazer denúncias. “Ele é celebrativo, circense, eufórico até, eu diria. O público está muito junto, na festa. Acima de tudo, é celebração, é circo”.

Rio de Janeiro (RJ) - Cena do espetáculo Prot(agô)nistas. Foto: Sergio Fernandes/Divulgação
Rio de Janeiro (RJ) - Cena do espetáculo Prot(agô)nistas. Foto: Sergio Fernandes/Divulgação

Rio de Janeiro – Cena do espetáculo Prot(agô)nistas. Foto: Sergio Fernandes/Divulgação – Sergio Fernandes/Divulgação

O Coletivo Prot{agô}nistas é formado por 30 artistas negros, a maioria oriunda de periferias. No espetáculo no Rio, 21 artistas estarão em cena, entre malabaristas, trapezistas, músicos, palhaços, contorcionistas, bailarinos. As coreografias, que vão da capoeira ao hip hop, do balé ao GumbootDance, trazem o tom acrobático que permeia todo o espetáculo, com performances organizadas por Washington Gabriel. A iluminação valoriza as cores que ressaltam a essência do panteão da África.

Os autores do espetáculo são o Coletivo Prot{agô}nistas e Solas de Vento Produção Cultural e Artística. Em junho, ele deverá ser apresentado no Recife.

Powered by the Echo RSS Plugin by CodeRevolution.

OUÇA CBN

Espetáculo circense com protagonistas negros estreia no Rio


Logo Agência Brasil

Depois de apresentações nas capitais de São Paulo e Minas Gerais, e no Festival de Curitiba, o espetáculo musical PROT{AGÔ}NISTAS – O Movimento Negro no Picadeiro chega ao Rio de Janeiro para três sessões. Elas serão realizadas nesta sexta-feira (14) e sábado (15), às 19h, e no domingo (16), às 18h. Os ingressos custam R$ 15 e podem ser adquiridos no site do Sympla. As apresentações ocorrem no Circo Crescer e Viver, no bairro da Cidade Nova, região central da cidade.

Durante a apresentação nesta sexta-feira (14), haverá intérprete de Libras e audiodescrição. Às 11h, será realizada palestra gratuita, com duração de uma hora. O tema Estou aqui – O lugar ocupado pelo artista negro e sua representatividade na cena cultural nacional vai ser abordado pela convidada especial Thallita Flor, uma palhaça preta da Cia Mala de Mão.

Rio de Janeiro (RJ) - Cena do espetáculo Prot(agô)nistas. Foto: Sergio Fernandes/Divulgação
Rio de Janeiro (RJ) - Cena do espetáculo Prot(agô)nistas. Foto: Sergio Fernandes/Divulgação

Rio de Janeiro – Cena do espetáculo Prot(agô)nistas. Foto: Sergio Fernandes/Divulgação – Sergio Fernandes/Divulgação

Notícias relacionadas:

O diretor Ricardo Rodrigues informou que o espetáculo tem músicas autorais e traz uma versão afrocentrada, com narrativa sobre o negro em diáspora no Brasil. O próprio título PROT{AGÔ}NISTAS traz a palavra agô entre chaves, extraída do idioma Iorubá, que simboliza a abertura de portas e caminhos.

Protagonismo

“O nome protagonista está no plural porque cada artista tem o seu momento de protagonismo no espetáculo, com as músicas autorais da própria banda, que toca ao vivo, e as ações circenses que se dão dentro de uma narrativa que fala de amor na comunidade preta, de cabelo da pessoa preta, do quilombismo, do genocídio. São situações implícitas, onde a plateia percebe e acompanha essa celebração circense no picadeiro”, afirmou Rodrigues.

Para o diretor, apesar de serem temas tristes, o espetáculo não visa a fazer denúncias. “Ele é celebrativo, circense, eufórico até, eu diria. O público está muito junto, na festa. Acima de tudo, é celebração, é circo”.

Rio de Janeiro (RJ) - Cena do espetáculo Prot(agô)nistas. Foto: Sergio Fernandes/Divulgação
Rio de Janeiro (RJ) - Cena do espetáculo Prot(agô)nistas. Foto: Sergio Fernandes/Divulgação

Rio de Janeiro – Cena do espetáculo Prot(agô)nistas. Foto: Sergio Fernandes/Divulgação – Sergio Fernandes/Divulgação

O Coletivo Prot{agô}nistas é formado por 30 artistas negros, a maioria oriunda de periferias. No espetáculo no Rio, 21 artistas estarão em cena, entre malabaristas, trapezistas, músicos, palhaços, contorcionistas, bailarinos. As coreografias, que vão da capoeira ao hip hop, do balé ao GumbootDance, trazem o tom acrobático que permeia todo o espetáculo, com performances organizadas por Washington Gabriel. A iluminação valoriza as cores que ressaltam a essência do panteão da África.

Os autores do espetáculo são o Coletivo Prot{agô}nistas e Solas de Vento Produção Cultural e Artística. Em junho, ele deverá ser apresentado no Recife.

Powered by the Echo RSS Plugin by CodeRevolution.

OUÇA CBN

Open chat
Fale com a CBN Vale do Itajaí
Olá 👋
Podemos te ajudar?